WILHELM CONRAD ROENTGEN
1845 - 1923

Físico, seu nome é amarrado até a descoberta dos raios x para o qual recebeu o prêmio de Nobel para as físicas em 1901.

Criança de comerciante de panos, entrou em 1865 à Politécnica em Zurique onde you/he/she se formaram criando em 1868, em 1870 you/he/she era assistente de físicas para Würzburg, entre 1876 e o 1879 professor sem escrivaninha de físicas teóricas para Strasburgo e no 1879 professor titular para Giessen.

Em 1888 acontece a Kohlrausch como gerente do instituto de físicas de Würzburg onde novembro 8 th 1895 descobre os raios o X.

De 1876 até a morte recebeu numerosos reconhecimentos e honras e you/he/she foi nomeado o sócio das Academias científicas principais.

A descoberta dos raios de X
aconteceu novembro por casualidade oito th 1895 trabalhar de

Wilhelm Conrad Röntgen
se aproxime o instituto de Físicas da universidade de Würzburg, Alemanha,

W.K. Roentgen nasceu em 1845 de uma família rica de negociantes na cidade pequena de Lennep, na Alemanha norte-ocidental; depois de ter gastado a maior parte da infância nos Baixos Países, para a vinte idade ano-velha que ele transferiu depois a Zurique e três he/she de anos o se formou criando perto do Technische Hochschule. Embora you/he/she não tinham seguido algum curso de físicas experimentais durante os estudos, definido desenvolver procuras neste setor depois do diploma.

Depois de ter recebido o doutorado em 1869, Roentgen adquiriu umas séries de custos como professor em várias universidades alemãs e em colaboração com Kundt executou estudos cuidadosos no comportamento do assunto; por exemplo foi o primeiro para mostrar, com um termômetro feito em casa que é mais fácil de aquecer o ar úmido que o ar seco.

Roentgen teve anos de quarantatré quando se tornou o professor de físicas e gerente do instituto de Físicas da universidade de Wurzburg, uma cidade Bávara próspera; he/she moraram com his/her esposa Bertha em um amplo apartamento para o segundo chão do instituto que entendeu um estudo comunicando com um laboratório privado. Em 1894 de junho começou a estudar os raios de cátodo, para aquele assunto de tempo de procura muito popular e a noite de novembro 8 th 1895 durante um de experiências de his/her alcançou a descoberta de um tipo de raios de natureza desconhecida que chamou "raios de X."

Três semanas Roentgen de expansão posterior as notícias de descoberta de his/her: o fato para poder ver pelos objetos sem os quebrar e dentro do corpo humano despertou grande sensação. Por causa disto ele adquiriu uma grande fama e em 1901 you/he/she foi lhe nomeado o primeiro prêmio de Nobel para as físicas

Roentgen morreu em 1923.

Primeiro artigo de Roentgen
1895 de dezembro

publicado pela revista
Der de Sitzungsberichte Physikalisch-Medizinischen zu de Gesellschaft Würzburg

Eine Neue Arte von Strahlen
"um tipo de raios novos"

Roentgen percebe a importância de descoberta de his/her imediatamente ambos para as físicas fundamentais e para his/her aplicações múltiplas. Apesar disto decide fazer o público de her/it e não cobrir her/it de privilégio.
Em caráter itálico nós trazemos algumas passagens, livremente traduziu, do primeiro artigo nos raios de X de Roentgen.

1. Este tipo novo de radiação que usa tipos diferentes de tubos que estão disponível em muitos laboratórios pode ser produzido.

.... Se a descarga de de um carretel de bastante grande indução é feito passar por um tubo abaixo vazio de Hittford, ou por um tubo de Lenard, de Crookes ou outros aparatos semelhantes, suficientemente voided, e o tubo cobriu com cuidado por um papelão preto magro, e se o aparato inteiro for fixo em um quarto completamente escuro, para toda descarga é observada uma iluminação luminosa de uma tela de papel coberto com cianeto de platina e bário, começado proximidade do carretel de indução, a fluorescência assim produziu é completamente independente do fato que a tela é dirigida em direção ao tubo para descarregar novamente com os vestiram superfície ou que não vestiu novamente. Esta fluorescência também é visível quando a tela fluorescente estiver preparada a uma distância de 2 metros pelo aparato...


Em 1901 you/he/she foi conferido a professor Röntgen, para os estudos feitos nos raios x, o Prêmio de Nobel para as Físicas. As 50.000 coroas de prêmio estavam versadas ao cientista para a universidade de Wurzburg, nem Röntgen já quis patentear descoberta de his/her, convencido como era que "toda descoberta ou invenção pertence à humanidade inteira... ".
Tudo para o melhor? Eles não perderam a amargura que veio acima de tudo de físico de austro-ungarica de origem que he/she moraram na Alemanha, professor Lenard que acusou Röntgen para não ser qualquer outra coisa diferente de o ladrão de estudos de his/her depois de ter sido ele o primeiro para estudar os raios de cátodo. Em Nazi período (Röntgen já tinha morrido) Lenard também procurou, forte de his/her uma amizade de espetáculo de homem com Hitler, fazer himself/herself/themselves reconhecer a paternidade da descoberta "oficialmente." Mas em 1951 a República Federal alemã, na ocasião do cinquantenario da concessão do Prêmio de Nobel, definitivamente truncou as discussões, com o assunto de um selo de taxa postal comemorativo com a efígie de Röntgen.

A disputa entre os dois cientistas não faz se confirmar quanto contamos nós para os começos desta narração nosso: as grandes descobertas só são raramente fruta do trabalho de um homem, isolado em seu estudo. Nenhum alguma grande descoberta é definitiva, mas geralmente é um que cobre no passeio do conhecimento. Infelizmente porém as disputas na paternidade das descobertas da ciência assumem freqüentemente tons azedos, às vezes também, como veremos nós, de bassa.bottega.

Os novecentos começaram assim com as emoções despertadas pelos raios de X misteriosos, um das descobertas científicas que excitou a imaginação popular principalmente. Mas se os estudos do físico alemão abrissem a estrada a uma mandíbula da medicina, a radiologia que tem setores inumeráveis de intervenção em troca nosso século ficará marcado acima de tudo pela vitória da medicina contra as doenças infecciosas, com a descoberta do sulfamidicis e o antibiótico. Você nota bem, quando nós falarmos de "vitória", nós não usamos este termo em senso absoluto.

RAIOS DE X - RONTGEN

Wilhelm C. Röntgen durante as escolas primárias e secundárias teve uma produção escolástica normal, com um lucro bastante alto, excluir um solo "insuficiente", em físicas. Destino zombeteiro para o descobridor futuro dos raios X. Nato para Lenepp, na Alemanha, março 27 th 1845, parte grande passada de mocidade de his/her em Holanda onde a família de his/her foi transferida. Para 17, porém, enquanto estava freqüentando a Utrecht um curso que preparou técnico para a indústria, you/he/she foi expelido pelo instituto porque pasmo rir em frente à caricatura de um professor impopular. Esta expulsão lhe impediu de alcançar o título necessário para entrar para a universidade mas perder Röntgen ele de mente e teve sucesso adquirindo o diploma de engenheiro mecânico primeiro e então o grau em físicas. Em 1870, o pai futuro dos raios de X, ganhou uma escrivaninha a Würzburg, e lá you/he/she o transferiram ensinar físicas. Röntgen era um pragmatico mais que um teorista das ciências físicas: seu laboratório se assemelhar a muito a uma loja suja, entupido de baterias, de carretéis e ferramentas de todo tipo. Novembro que 8 th 1895, Röntgen, estava completando à escuridão das experiências com um tubo para raios de cátodo, em laboratório de his/her, quando notou uma vinda clara verde de um pedaço de papelão que foi achado em outra parte do quarto. O papelão tinha coberto de uma substância química luminescente que era resplandecente se golpeou pela luz. Mas havia nenhum claro no laboratório. Röntgen removeu a maré do tubo de cátodo e aquele verde ilumina desapareceu. Ridiede atual e puseram a mão entre o tubo e o papelão: com o grande assombro dele, viu projetado no papelão a sombra dos ossos da mão. "Eu não tive idéia de coisa que eles eram que raios" que he/she escreveram subseqüentemente "então eu os chamei raios de X simplesmente, enquanto sendo x o símbolo matemático de uma grandeza desconhecida." Este "desconhecido" de raios que eles atravessaram o papel, a madeira, a carne, mas não pelos ossos e os metais, e além eles impressionaram os pratos fotográficos. Hoje nós sabemos que os raios de X são radiações eletromagnéticas de comprimento de onda inferior a isso dos raios ultravioletas e da ampla gama de freqüências. A descoberta deles/delas revolucionou o mundo da medicina, porque pela primeira vez os médicos puderam olhar" dentro do corpo. Na realidade, já em 1896, os raios de X eram usados para examinar as fraturas ósseas. Entender o clima pioneiro no qual you/they operaram os homens como Röntgen, é bastante para conhecer aquele as primeiras radiografias da história imortalizou em um prato a mão de esposa de his/her, com o anel que trouxe ao dedo, porque no Röntgen dela testou equipamento de his/her, de acordo com um costume típico de certos investigadores de fim oitocentos. Estudioso para qual atividade científica era uma aventura solitária na qual a regra valeu de contar com his/her próprias forças", e então em his/her próprios bem. Numeroso eles eram os investigadores e os radiologistas, acima de tudo para os começos que sofreram queimaduras por causa das radiações ou eles estavam feridos de ulcerações ou tumores. Um campo insuspeito de aplicação dos raios de X que tiveram um grande desenvolvimento, enquanto começando dos anos sessenta, com para multiplicar himself/herself/themselves algumas divergências aéreas, interessa o exame das bagagens, nas estruturas de aeroporto, geralmente o descobrir a possível presença de armas, bombas e armas. Desde então este instrumenta foram adotados circumferentors no mundo inteiro. Até mesmo se a descoberta de grande deseje ponto mais principal de permanências de Röntgen isso dos raios de X e a intuição poder os usar no diagnóstico em medicina, ele administrou procuras em outros campos. Estudou o piezoelettriche de propriedades dos cristais, o stringiness e o índice de refração dos líquidos diferentes e o movimento de um corpo isolante em um campo elétrico. Procuras que contribuíram à elaboração da teoria da relatividade. É porém certo que, também antes da descoberta dos raios de X, o nome de Röntgen já era famoso. Depois que o Nobel recebeu em 1901, vida de his/her de homem e cientista teve um curso curioso. Perdido a esposa dele em 1919, depois de um período de sofrimentos sérios, e enquanto eles cruzaram títulos e honras para descoberta de his/her, Röntgen que não fez para mistério ao redor de perplexidade de his/her nas procuras desenvolveu himself/herself/themselves ao redor dos raios X. Argomento para qual ele mesmo ele não interessou mais. Röntgen nem não quis algum privilégio para os raios de X para os usos que seriam feitos. Para quem não lhe ofereceu reconhecimentos e remunerações desinteressado, he/she de Röntgen pedidos uma contribuição de 10 marcas todo you/he/she de tubo tinham sido ele necessário produzir raios de his/her. E quando alguém tentou envolver him/it em um projeto industrial de exploração dos raios de X, he/she responderam isso descoberto e invenções pertencem à humanidade e aquele you/they não deveriam ser hipotecados por privilégios, licenças e contratos. "You/they não deveria ser conferido através de grandes grupos", somou. Esta indiferença para o dinheiro forçou him/it em pobreza, nos últimos anos de sua vida, antes de a morte aconteceu em 1923, durante a crise econômica alemã dos anos Areja, o cobriu de honras importantes, mas sem ter um centavo em bolso.

Os raios de X

Os raios de X são de forma que eletromagnético de quem comprimento de onda é ao redor 3 vezes isso da radiação visível. Eles são produzidos pela desaceleração forte dos elétrons nas colisões com os núcleos atômicos e das transições dos elétrons nas órbitas mais fundas dentro dos átomos. Eles estavam abertos de W.C.Roentgen (1845 - 1923) em 1895 bombardeando um objetivo metálico com um pacote de elétrons (raios de cátodo) enviou pelo cátodo de um tubo de descarga conter se torne gás menos freqüente. Por causa do comprimento de onda pigmeu deles/delas eles fraco interage com o assunto. Depois de em 1912, Max von Laue (1879 - 1960) observou que um pacote de X raios espetáculos efeitos de interferência que atravessa um cristal, resultou claro que eles só diferem da luz como considera o comprimento de onda. A disposição regular dos átomos na rede cristalina simula uma rede de difração. O mesmo resultado foi adquirido por W.L.Bragg (1890 - 1970) analisando a reflexão dos raios X. Egli tiraram o comprimento de onda deles/delas do conhecimento da direção da interferência construtiva e da distância entre o reticolaris claro (lei de Bragg). Vice-versa a figura de difração pode ser usada por puxar a estrutura do cristal (X raios cristallografia de W.H.Bragg (1862 - 1942)). já postulado por Michael Faraday ao propósito que você Murmura disto descarrega O elétron Ele "átomos de posição elétrica" eles já eram postulações de Michael Faraday para o propósito explicar o fenômeno da eletrólise. Idéia foi levada de volta através de william Crookes (1832 - 19199 e de Arthur Schuster (1851 - 1934) foram convencidos que que os raios de cátodo produziram nas experiências deles/delas era negativamente pacotes de partículas carregadas. Em 1897 a existência da unidade discreta de posição era estabelecida de J.J.Thomson. Cruz usando campos elétricos e magnéticos nos tubos de descarga ele mostrou que os raios de cátodo foram formados de partículas carregadas em velocidade movimento muito menor disso da luz e mediu a relação entre a massa deles/delas e a posição deles/delas. J.J.Thomson admitiu que o valor da posição da partícula era idêntico para que aquele G.Johnstone Stoney (1826 - 1911) achou em 1891 ser trazido pelos íones dos elementos univalentes na eletrólise. Em tal he/she de modo tido sucesso também avaliando a massa da partícula para qual, já usando o nome introduzido por Stoney, o nome de elétron era determinado. Bem logo trabalhar de Hendrik Lorentz, Philipp Lenard (1862 - 1947), Henry Becquerel (1852 - 1908) e Ernest Rutherford (1851 - 1937), era estabelecido que a presença do elétron era necessária explicar muitos phenomenons físico como o thermionic emita, o efeito fotoelétrico e a radioatividade. Nos mesmos anos Robert Millikan (1868 - 1953) he/she tiveram sucesso medindo com precisão grande a posição do elétron e massa de his/her. No 1924 Louis de que Broglie avançou que a hipótese que o elétron também possuiu ondulou propriedade. Nesta hipótese fundou Erwin Schroedinger o novo ondulou mecânicas. No 1927 Clinton Davisson (1881 - 1958), Lester Germer (1896 - 1971) e George P.Thomson (1892 - 1975) eles verificaram os ondularam experimentalmente propriedades do elétron. Enquanto isso Samuel Goudsmit (1902 - 1978) e George Uhlenbeck (1900 -) eles introduziram o giro. O trabalho de Dirac de Paul "A teoria relativística do elétron" de 1928 moldou todas as hipóteses e os dados experimentais justamente na "equação famosa de Dirac." Os raios de X que Os raios de X são de forma que eletromagnético de quem comprimento de onda é ao redor 10-3 vezes isso da radiação visível. Eles são produzidos pela desaceleração forte dos elétrons nas colisões com os núcleos atômicos e das transições dos elétrons nas órbitas mais fundas dentro dos átomos. Eles estavam abertos de W.C.Roentgen (1845 - 1923) em 1895 bombardeando um objetivo metálico com um pacote de elétrons (raios de cátodo) enviou pelo cátodo de um tubo de descarga conter se torne gás menos freqüente. Por causa do comprimento de onda pigmeu deles/delas eles fraco interage com o assunto. Depois de em 1912, Max von Laue (1879 - 1960) observou que um pacote de X raios espetáculos efeitos de interferência que atravessa um cristal, resultou claro que eles só diferem da luz como considera o comprimento de onda. A disposição regular dos átomos na rede cristalina simula uma rede de difração. O mesmo resultado foi adquirido por W.L.Bragg (1890 - 1970) analisando a reflexão dos raios X. Egli tiraram o comprimento de onda deles/delas do conhecimento da direção da interferência construtiva e da distância entre o reticolaris claro (lei de Bragg). Vice-versa a figura de difração pode ser usada por puxar a estrutura do cristal (X raios cristallografia de W.H.Bragg (1862 - 1942)). já postulado por Michael Faraday ao propósito.

RADIAÇÕES, UNIDO' DE MEDIDA, DOSE ABSORVIDA

DESCOBERTA DA RADIOATIVIDADE

Com a termo Radioatividade ele pretende o assunto espontâneo de radiações de e/o de partículas do núcleo de um átomo.

Resulta evidente que a descoberta da radioatividade vai junto com a procura na estrutura atômica e nas características nucleares.

No 1896 Henri Becquerel notou que um prato fotográfico ficou preto se jogos nas proximidades de um recipiente mineral compostas do urânio. Estas misturas tiveram que enviar radiações então capaz libertar energia dentro dos pratos que a impressionam. No 1899 Pierre Curie e his/her esposa Maries teve sucesso extraindo do mineral misterioso a substância radioativa responsável do fenômeno estranho que tinha chamado rádio. Um ano Ernest Rutherford posterior identificou as radiações enviadas pelas substâncias radioativas em alfa de assuntos e beta, enquanto Paul Villard individualizou a gama de raios. Rutherford observou além de que são se transformados os átomos que enviam radiações em átomos diferentes, em outro palavra dotados de propriedade química diferente dessas características dos átomos de partida. Foram acontecidas muitas experiências nos anos seguintes para o propósito individualizar a composição dos três tipos de radiação. Os resultados deles/delas trouxeram para concluir que o alfa de radiação é constituído por núcleos de hélio (dois prótones e dois nêutrons), a beta de radiação de elétrons (ou do antiparticelles deles/delas, o positrons) enquanto a gama de radiação é uma radiação eletromagnética (e então compôs através de fótons) particularmente enérgico.

No 1911 Rutherford usou o alfa de raios para estudar os átomos e concebeu o modelo de átomo que traz nome de his/her: um recipiente de "núcleo" a maior parte da massa do átomo, carga de eletricidade positiva e avente um raio menor daquele atômico; ao redor do núcleo um certo número de elétrons em órbitas circulares. Em base para his/her modelo atômico, foi atribuída radioatividade às transformações que acontecem nos núcleos dos átomos. Dois anos Niels Bohr posterior introduziu teoria de his/her na estrutura do átomo. Completou o modelo de Rutherford e, acima de tudo he/she explicaram a disposição eletrônica em base para os processos de assunto e absorção de fótons dos átomos de hidrogênio.

Este resultado estimulou os estudos de físicas atômicas e administrou, ao redor 1920, para a formulação do quantistica mecânico de Louis de Broglie, Werner Heisenberg, Erwin Schrödinger, Paul Dirac, Wolfgang Pauli e outros. A teoria nova, experimentada com sucesso na descrição do átomo, que foi aplicado bem logo ao estudo dos núcleos atômicos. Eles entenderam assim as leis, estabelecido nas primeiras décadas do século de XX, relacionado às decadências nucleares acompanhadas pelo assunto de alfa de partículas e beta.

A estrutura do núcleo ficou mais clara quando, em 1932, James Chadwick descobriu o nêutron, um avente de partícula ao redor da mesma massa do próton mas com posição elétrico nada.

Em 1895 o físico Wilhelm Conrad Roentgen alemão, estudando o efeito das descargas elétricas dentro o se atenue gases, descobriu radiações capaz um pedaço de papel fazer fosforescente coberto de um sal de jogo de bário nas proximidades. Roentgen chamado raios de X estas radiações de origem desconhecida.

Você chegou assim para a hipótese de Heisenberg que os núcleos atômicos consistiram em prótones e de nêutrons.

O conhecimento das propriedades nucleares progrediu notavelmente graças a experiências durante as quais os núcleos foram bombardeados com partículas claras (prótones, elétrons, alfa de partículas...). Grande importância também assumiu o estudo do trasmutazione artificial de um tipo químico em outro.

Nesta fase da procura começou também o estudo das forças nucleares esse aquele cabo junto prótones e nêutrons. Você entendeu imediatamente aquelas forças nucleares são muito mais forte que esse eletromagnético e gravitacional e que eles só agem em distâncias muito curtas, comparável com o raio do núcleo. No 1939 Hideki Yukawa, seguindo uma sugestão de Heisenberg, isto hypothesized que as forças que o praticam entre o constituinte do núcleo estavam devido a partículas pesadas (300 vezes mais que os elétrons). Estas partículas, chame mesoni, eles realmente estavam abertos na radiação cósmica em 1946.

NÚCLEO

ESTRUTURA

Em uma viagem hipotética dentro do átomo, depois de ter ido além das cascas que entretêm os elétrons isto seriam achados cruzar uma zona de espaço completamente vazio lá. Relativamente atrás de uma viagem longa viria finalmente em nós no núcleo. Na realidade, o núcleo ocupa o centro do átomo e suas dimensões é aproximadamente dez mil de tempos inferiores à distância que him/it separado dos mais próximos elétrons. Seu papel pode ser comparado que algum Sol em nosso sistema planetário: como a órbita de planetas ao redor nossa estrela para atração gravitacional, assim os elétrons, cargas de eletricidade negativa, "eles órbita" ao redor do núcleo porque atraiu por sua posição positiva.

Dentro do núcleo atômico são achados dois tipos de partículas: os prótones e os nêutrons. Elas são partículas às que são se assemelhadas muito (tanto ser sido satisfatório ambos com o nome de "nucleoni") mas enquanto o nêutron for eletricamente neutro, o próton tem uma posição que vale exatamente quanto que, de sinal oposto, transportou pelo elétron.

O número de prótones presentes em um núcleo é dito número atômico e é satisfatório com Z; então a posição elétrica nuclear é igual a Z virado a posição de um próton. Nós nos lembramos disso normalmente os átomos são neutros e que isto é devido número ao semelhante, Z que eu afio, de prótones e elétrons que os compõem. Todos os átomos que têm Z igual, até mesmo se eles diferem para o número de nêutrons, origem de dano para o mesmo elemento químico, tem em prática as mesmas propriedades e eles ocupam o mesmo lugar na mesa periódica dos elementos. Para estes átomos motivo com o mesmo número atômico são ditos Zs isotopes (mesmo lugar).

No núcleo a massa do átomo é ajuntada quase tudo. Na realidade, nêutrons e prótones têm maiores massas (ao redor 1800 vezes) do dos elétrons. Avaliar a massa de um núcleo é fundamental para saber o número de nêutrons que you/they se aparecem você; tal número está fora geralmente pontudo com N.

Se o negligenciar a diferença existente pigméia entre as massas do próton e o nêutron, podem ser concluídos you/he/she que a massa de um núcleo vale Z + virou N a massa do próton. A quantidade Z + N está fora pontudo com a carta Á. e chama número de massa. Como termo de comparação para as massas atômicas (e nuclear) um particular isótopo do carbono muito abundante é escolhido em natureza: o carbono-12. Em núcleo de his/her eles são 6 prótones presentes e 6 nêutrons; his/her numeram de massa Á. vale então 12. Como unidade de medida das massas atômicas é escolhida a décima segunda parte da massa do carbono-12.

Não sempre porém a massa de um átomo é igual a uma inteireza de tempos esta unidade de medida; é freqüentemente um número decimal. A razão para isto reside na existência, para um mesmo elemento químico, de isotopes de peso diferente.

Eles contribuem muito à massa do elemento dentro mais ou menos acentuado de acordo com a abundância deles/delas em natureza.

A avaliação da massa dos átomos, e então dos núcleos, tem uma grande importância nas físicas nucleares. A fórmula famosa E = mc2, escrito pela primeira vez por Albert Einstein em 1905, que estabelece que uma equivalência existe entre massa e energia, como se elas fossem duas formas debaixo de qual lhe apresenta a mesma entidade física. A interpretação da fórmula é simples: permite calcular a quanta energia (E) corresponde uma certa massa (m); tudo que leva estão multiplicando a massa para a velocidade da luz (c) elevado ao quadrado. Em algumas tentativas nucleares (fendimento nuclear, fusão) frações, também muito pequeno, da massa do núcleo eles são se transformados em energia. Se então é conhecido com precisão a massa de um núcleo atômico e o componente dele, usando a fórmula de Einstein o you/he/she de energia podem ser avaliados que envia durante reações nucleares como esses que acontecem nas estrelas, nos reatores nucleares ou nas bombas atômicas de devastantis.

DIMENSÕES

O núcleo atômico pode ser imaginado como um sferetta carregado de eletricidade positiva cujo raio vale ao redor de um decimillesimo de bilionésimo de centímetro (10-13 cms). Não é porém fácil de imaginar como pode coexistir em tal uns prótones de Z espaciais pequenos e nêutrons de N. Não obstante muitas experiências, administradas pelo começo do século de XX, you/they fizeram claro no lado de dentro estrutura dos núcleos. Particularmente you/he/she é compreendido como é distribuído no núcleo o em sociedade posição elétrica para os prótones.

A informação da qual o prepara nas dimensões nucleares, o bombardeio de núcleos que eles são devidos para por elétrons para energia alta. Há razões boas para acreditar que o volume que contém a posição elétrica realmente coincide com aquele ocupado do núcleo. Os resultados destas experiências mostraram aquela densidade elétrica é constante do centro do núcleo magro para um certo valor do raio; então começa a diminuir magro para aniquilar himself/herself/themselves. O ponto no qual o extermina o limite externo do núcleo pode ser considerado.

O modo de acordo com qual a densidade de diminuições de posição elétricas para aumentar um pouco de distância do centro, é quase o mesmo para os núcleos de todos os elementos químicos. O que se aparece evidente é o crescimento do espaço ocupado pela posição elétrica para que núcleos que estão composto de um número crescente de prótones e nêutrons.

Na realidade, resulta que o volume de um núcleo (definido como o espaço ocupado pela distribuição de posição elétrica) é proporcional ao número de massa Á., então a densidade de assunto é a mesma para todos os núcleos atômicos. Além tem um valor que surpreende para grandeza de his/her. Na realidade, se um objeto comum fosse denso como um núcleo, todo dado do avente dele os lados de um centímetro pesaria 200 milhões de kg.

Prótones e nêutrons, o constituinte do núcleo, são partículas bem parecido. Na realidade, se ela também é excluída diferença importante relacionada à posição elétrica, eles têm características tão semelhantes para induzir para pensar que I/you/he/she é tido se só ver com um tipo de partícula. Isso é por que tem senso falar de nucleoni sem distinguir subseqüentemente entre prótones e nêutrons. Esta escolha está subseqüentemente justificada pelo quantistica mecânico: neste círculo, na realidade, eles lhe apresentam um pouco de grandeza, o quantici de números cujos valores diferentes correspondem a estados diferentes da partícula para qual se refere. Por exemplo, deste modo para todo you/he/she de nucleone esteve em sociedade o quantico de número de "giro de isotopic." Pode assumir dois valores: um correspondente para o "é" próton, o outro correspondente para o "é" nêutron. De acordo com o valor do giro de isotopic, o nucleone envolve como um próton, dotado com posição elétrica, ou como um nêutron privado de posição. Próton e nêutron devem ser considerados como os dois possível "é" de uma mesma partícula, o nucleone.

Também o núcleo em seu complexo está dotado com um giro de isotopic. Naturalmente se lembra de do isotopic gira de todo o Á. nucleoni que compõe him/it: por exemplo, isto significa que os núcleos do trizio (o isótopo do hidrogênio com dois nêutrons e um próton) e do hélio-3 (o isótopo do hélio que contém dois prótones e um nêutron) como dois podem ser pensados aventi de núcleos igual porém valores diferentes do giro de isotopic.

A semelhança entre prótones e são acentuados nêutrons particularmente se nos limita considerar as forças nucleares, esses que são que eles o praticam entre os componentes do núcleo. Na realidade, resulta aquelas tais forças não dependem da posição elétrica do nucleonis envolvida na interação; ou bastante que a força que o pratica entre um próton e um nêutron é exatamente o mesmo disso que o pratica entre dois prótones ou dois nêutrons.

Forças nucleares são essenciais para a estabilidade do núcleo. Tudo que leva estão pensando no fato que em uma porção pigméia de espaço dois coexista ou mais prótones, partículas dotaram de posição positiva. Se força nuclear forte não existisse, a repulsão eletrostática alienaria os prótones o um de fazer a existência dos núcleos impossível. Este faz entender como vem a presença é necessária dos nêutrons: eles, ser assuntos disto, praticam as outras partículas do núcleo mais adiante uma interação forte, enquanto contribuindo para frear a tendência dos prótones para alienar o um do outro.

Isso é por que o número de nêutrons N cresce aumentar algum número de prótones o Z. Nos núcleos claros, esses com poucos prótones, Z e N eles coincidem. Quando ao invés Z crescer, a repulsão eletrostática entre os prótones fica tão intensa que, de forma que núcleos estáveis exista, um número elevado é necessário de nêutrons capaz praticar uma interação bastante forte. Por exemplo, enquanto o isótopo do carbono mais abundante em natureza tem um número igual de prótones e nêutrons (Z = N = 12), o ferro tem 26 prótones e 30 nêutrons. Diferença cresce assim que ele flui a mesa periódica (sistema periódico dos elementos): o mais abundante isótopo da dianteira (Z = 82) tem bem 116 nêutrons.

INSTABILIDADE ESTABELECIDA OS NÚCLEOS

Se eles pudessem pesar", primeiro um núcleo atômico e his/her componentes separados, seria subseqüentemente nós de testa para um fato surpreendente: a massa do núcleo é ligeiramente inferior à soma das massas dos prótones e os nêutrons que you/they constituem him/it; é tido em prática um defeito de massa. Este é um das conseqüências da relação de equivalência entre massa e energia percebidas por Einstein.

Quando dois ou mais nucleonis o unirem formar um núcleo, parte do you/he/she de massa deles/delas é convertida em energia de laço. Este fenômeno o apresenta em todos os sistemas físicos nos quais mais componentes são amarrados entre eles de forças de qualquer natureza. Não obstante, na maior parte dos casos, a fração de massa escapada aos componentes do sistema ser convertido em energia é tão pequena para ser podido ser negligenciado. Por exemplo no Terra-sol de sistema só uma parte em diecimila milhão do you/he/she de massa foi sacrificada; em um cristal, os átomos tiveram que abdicar a um centomiliardesimo da massa deles/delas para ser capaz ele amarrar; ao invés em um átomo de hidrogênio you/he/she é se transformado em energia um decimilionesimo da massa geral do elétron e o próton. Se porém um núcleo atômico é considerado, nos percebe que o efeito não é absolutamente desprezível: um centavo da massa do nucleonis é convertido em energia de laço. A comparação com os casos citados em precedência em qual a interação gravitacional e a interação eletromagnética intervém, clarifica porque foi denominada a força que une o nucleonis interação "forte."

A energia de laço é que que é tido que fornecer a um núcleo para ter sucesso separando a pessoa do outro os prótones de Zs e os nêutrons de Ns que compõem him/it.

E' então evidente que um núcleo caracterizou por uma grande energia de resultados de laço particularmente estável.

Estabilidade também explica a abundância em natureza de certo isotopes: eles são privilegiados em comparação ao outro isotopes do mesmo elemento porque eles têm uma energia de maior laço. O estudo experimental das energias de laço sublinhou algumas situações importantes: resulta isso por exemplo entre os núcleos com número de massa Á. protege, esses com Z e N estranho são muito estáveis (em outro palavra eles têm uma energia de laço inferior) desse aventis Z e N que você protege. E' é esta observação para sugerir que forças nucleares são forças que são praticadas entre pares de corpos.

Estabelecer que átomos ou isotopes de um elemento são mais estáveis que outros as regras seguintes eles são aplicados:

  1. Maior é a energia de laço por nucleone, mais estável é o núcleo.
  2. Núcleos de mais baixos elementos de parte número atômico, com neutrone/protone de relação de 1,: 1 é muito estável.
  3. Os Núcleos mais estáveis estendem para ter um número igual de prótones e nêutrons.

Energia para nucleone

Nós consideramos o nuclide 16 do oxigênio: contém 8 prótones, 8 nêutrons e 8 elétrons, nós podemos imaginar então compõe him/it mais de 8 átomos de hidrogênio 8 nêutrons.

Todo átomo de hidrogênio tem uma massa de 1,0078252 u.m.as., todo nêutron tem uma massa de 1.0086652 u.m.as. para qual sua massa total deveria ser de:

(1,0078252 xes 8) + (1,0086652 xes 8) = 16,1319232 u.m.as., ao invés a real massa do oxigênio 16 é de 15,9949150 u.m.as.. A diferença entre a massa calculada e a real massa chamou "defeito de massa."

Para o átomo de oxigênio 16 este defeito de massa é quantificado em 0,1370082 u.m.as., esta massa foi se transformada em energia que o desenvolve no momento de formação do núcleo, e é a mesma quantidade de energia que deve ser fornece ao núcleo de forma que a separação de seu nucleonis acontece.

  • Com a relação E=m*c2 nós convertemos o defeito de massa em energia:

· esta energia, (2,0445639 * 10 -11 Js) é a energia de laço nuclear que dividiu para o número do nucleonis constituinte o núcleo isto dá a energia unitária por nucleone:

Nós tentamos considerar o átomo de urânio 238 e calcular seu defeito de massa:

92 átomos de Hidrogênio = 1,0078252 xes 92 = 92,719918 u.m.as.

146 nêutrons = 1,0086652 xes 146 = 147,265119 u.m.as.

Para um total de 239,985038 u.m.as., mas a real massa do urânio 238 é 238,0289 u.m.as. e fazendo a diferença então a massa necessitada corresponde a 1,956138 u.m.as. de qual, sempre aplicando a relação é = m*c2 que a energia de laço nuclear é:

· E a energia unitária para nucleone:

Se é comparada a energia de laço por nucleone do Nuclide 16 do oxigênio e que do urânio 238 é evidente que a estabilidade do primeiro é maior.

Estabilidade e instabilidade nuclear

Quando um núcleo é estável que é considerado him/it no estado fundamental. Como é dito you/he/she, estabilidade depende do valor particularmente alto da energia de laço e então corresponde à dificuldade para extrair do núcleo alguém do componente dele. Se ao invés a configuração do núcleo é alterada por uma mudança de energia induzida pelo exterior, enquanto bombardeando him/it por exemplo com partículas, o mesmo núcleo que vem ser himself/herself/themselves em um estado "excitado". As propriedades nucleares geralmente vêm informadas à situação de é fundamental, mas o estudo dos resultados de estados entusiasmados muito útil às metas da compreensão da estrutura interior dos núcleos.

Resultados muito interessantes foram tirados pelo exame dos estados do speculari de núcleos denominado que núcleos que estão com número igual de massa Á., mas tal que o número de prótones Z do a pessoa é igual ao número de nêutrons N do outro e vice-versa. Depois de ter escapado a contribuição eletrostática, este exame mostra uma identidade significativa, como se nêutrons e prótones fossem interscambiabili: esta é uma grande transação teste importante do fato que forças nucleares são simétricas em comparação à substituição de nêutrons com prótones. Em substância, os núcleos com o mesmo Á. envolva igualmente para isso que pertence à estrutura puramente nuclear deles/delas, enquanto eles estão diferindo para a estrutura eletromagnética.

As observações efetuadas também permitiram puxar conclusões importantes no laço existente entre o número de nucleoni presente em um núcleo e sua estabilidade. Para valores pequenos de Z e N as configurações nucleares estáveis correspondem a um número igual de prótones e nêutrons (Z = N); ao crescimento de Z aumenta o número de nêutrons necessários para garantir a estabilidade, enquanto superando de grande longo o número de prótones presentes no mesmo átomo. O curso há pouco descrito é feito muito bem pela curva denominada de estabilidade que é adquirida trazendo todos os núcleos estáveis existentes em natureza em um plano Cartesiano cujos ases representam o número de prótones Z e o número de nêutrons o N.

Um núcleo está mais longe da curva, ou bastante mais o par Z-N ele longe dos ótimos valores, maior é a instabilidade que assina him/it.

A relação entre número de prótones e número de nêutrons que são achados em um núcleo não é então casual. Se na realidade nós quiséssemos construir núcleos atômicos que admitem um certo número de nucleoni ao acaso, a maior parte das combinações resultaria instável e daria origem às reações de decadência que é descrita na sucessão.

AS TRANSFORMAÇÕES DO NÚCLEO

À base dos assuntos radioativos há a tendência de alguns núcleos para ir himself/herself/themselves cada vez mais para configurações estáveis. Deste modo um núcleo que é achado em um estado entusiasmado, avente em prática energia superior para o do estado fundamental, o livra um pouco de energia em excesso que envia para alfa de partículas, beta ou fótons gama. A radioatividade, em cima de como natural, podem ser provocados artificialmente também you/he/she. Na realidade, se ele "excita" um núcleo que bombardeia him/it com partículas como prótones ou nêutrons, devolverá, ou puxará próximo, para o estado fundamental que envia radiações.

Radioatividade natural o apresenta em quase todos o aventi de núcleos número atômico Z entendeu entre 81 e 92; eles são se transformados em núcleos mais claros cujas características químicas são bem distinguíveis desses dos núcleos iniciais.

A lei que descreve a decadência radioativa é tipo exponencial. Esta lei mostra como o reduz gastar algum tempo o número de núcleos de partida por causa da decadência deles/delas. Um parâmetro muito importante que se aparece na fórmula é her/it "vida mediana." Depois que for uma vez passado igual para a "vida mediana" dela, os dois espectadores dos núcleos iniciais quase resultam ter sofrido a decadência radioativa.

A "vida mediana" vário de acordo com o núcleo considerado: you/he/she podem oscilar do thousandth um de bilionésimo de ano aos cem milhões de milhões de anos. Seu valor é um índice claro da estabilidade do núcleo que se refere: uma vida mediana breve é sinal de instabilidade e então de predisposição para a decadência radioativa; os núcleos estáveis ostentam ao invés de vida mediana longa.

Não é dito que um núcleo radioativo diretamente decadências em um núcleo estável; you/he/she podem acontecer que se deteriora em troca em uma decadência de núcleo instável assunto radioativo. A tentativa em outono contínuo até que ele não alcança um núcleo estável. Fala então de séries radioativas.

Naturalmente os elementos radioativos foram juntados em três séries que you/they levam nome dos três elementos que agem de fundador: as séries do urânio, as séries do torio, as séries do actínio. Os fundadores têm vida mediana muito longa (respectivamente 6,5, 20 e 1,3 milhões de anos) e eles se deterioram em elementos mais claros; o processo de apreensões de decadência quando um estábulo isótopo da dianteira é produzido. Também existe as séries do nettunio que porém não contém também existindo núcleos radioativos em natureza mas produziu no laboratório (transuranici de elementos); os fim de séries em um estábulo isótopo do bismuto.

Os núcleos pertencendo para umas mesmas séries diferem o um do outro como a decadência que faz ter passado desde um ao outro alfa corresponde ao assunto de partículas para quatro nucleonis. Em um número limitado de casos you/he/she podem o verificar também a beta de decadência que, se transformando um nêutron em um próton, não se comporta a mudança do número de massa o A.

O isotopes instável que se deteriora, enquanto alfa de partículas, beta ou o enviando radiarem gama, eles são ditos radioisótopos; eles sabem mil mas as vidas medianas deles/delas e os amarraram ao redor para cima dificuldades para a produção deles/delas eles fazem sim que só cem é utilizável para aplicações práticas.

RADIAÇÕES IONIZZANTI

Muitos núcleos são instáveis como a energia deles/delas de laço não é bastante para unir o nucleonis que os constitui. Tentativas espontâneas de elevação de trasmutazione para cima durante então o qual os núcleos instáveis são transformados em núcleos mais estáveis. Estas tentativas também são chamadas decadências radioativas porque eles são acompanhados pelo assunto de radiações de natureza diferente: você radia gama, alfa de partículas e beta de partículas.

Estes assuntos que acontecem durante o período de decadência radioativa também chamaram "ionizzanti de Radiações" e posseggono, em medida diferente, um poder penetrante no assunto.

As radiações (o transporte de energia no espaço) conhecendo o you/they de assunto podem transferir a energia deles/delas aos átomos ou moléculas, enquanto excitando os elétrons disto. Se energia é bastante para escapar o elétron às forças de atração do núcleo um átomo ou molécula isto será ionizado.

É expressada a energia do ionizzanti de radiações em elettronvolt (eV), 1eV definem a energia comprada por um elétron quando cruzar uma diferença de potencial de 1 Volt dentro o nulo.

Outro parâmetro característico das radiações é o poder penetrante ou a habilidade para cruzar densidades mais elevadas antes das radiações está preso.

Como a radioatividade é conhecido é um componente normal do ambiente natural para o qual o homem constantemente foi exposto às radiações de origem natural desde que seu se apareça na terra e esta permaneceram a única fonte de irradiação menos de um século atrás até poucos.

He/she ancora agora, apesar do emprego de amplitude de substâncias radioativas artificiais e radiogeni de fittingses de vária radioatividade amável, natural continua fornecendo a maior contribuição à dose recebeu pela população e é provável uma grande transação que este contínuo também verificar no futuro ele.

Na radioatividade natural dois componentes são distintos, um de origem terrestre e o outro extra-terráqueo. O primeiro está devido ao radionuclidis primordial contido em vária quantidade nos materiais inorgânicos da crosta terrestre (mineral, pedras) desde formação de his/her.

O segundo é constituído pelos raios cósmicos, também conhecido como " Radiação que conduz ".

O radionuclidis primordial principal são, o Potássio (K-40), o Rubidio (Rb-87), e os elementos das duas séries radioativas do urânio (U-238), e do Torio (Th-232).

As séries do isótopo geralmente é ignorado 235 um pouco de urânio (U-235), dá a abundância relativa modesta do fundador, até mesmo se isto sempre não é justificado em dosimetrici de condição.

A concentração do radionuclidis natural no chão não é nenhum equidistribuita, mas varia com direito de lugar de lugar para a conformação geológica diferente do vário he/she de áreas levou em exame.

Por exemplo, nas pedras ígneas, a concentração de U-238 é geralmente maior que nas pedras sedimentares como as pedras calcárias ou os gizes, até mesmo se em algumas pedras sedimentares de origem de mar é achada uma concentração elevada deste radionuclide.

Além, nas pedras "azede", ambos o Torio ambos o urânio é mais abundante que nas pedras "básico."

Valores típicos de concentrações de atividade no chão são inclusivos entre o 100 e 700 Bqs * Kg-1 para o K-40, e entre 10 e 50 Bq*Kg-1s para as séries radioativas de U-238 e Th-232.

O assunto de gama de raios

O assunto de gama de raios acontece em quase todos os núcleos instáveis e normalmente corresponde à eliminação de energia em excesso: um nucleone pode estar por exemplo em um estado de energia alta que tem livre não obstante um estado de mais baixa energia; o nucleone passa no estado inferior e contemporarily a diferença de energia é libertada na forma de fóton gama que é de onda eletromagnética (a analogia forte é evidente com o processo de assunto espontâneo que acontece com os elétrons da átomo-fluorescência e fosforescência).

Os raios percorrem

Eu sou de forma que eletromagnético, como a luz, e não de corpuscolare de natureza, a freqüência deles/delas depende da substância e tem um comprimento de onda inclusivo entre 10-11 e 10-14 metros.

Subindo: nuclidi radioativo

Energia: a energia deles/delas é proporcional à freqüência: de keV de ca.10 para 10 MeVs

Velocidade: "c" (300.000 Km/secs. velocidade da luz).

Poder penetrante: fortemente (100 vezes maior da beta de raios), algum centímetro de dianteira diminui a intensidade de um fator disto 2.

Ser ionizzante capaz: ionização indireta do ar por elétrons.

Grau de periculosidade: sempre perigoso até mesmo se enviou através de fonte externa ao corpo humano.

A beta de decadência

A beta de decadência é um do phenomenons mais importante nas físicas nucleares. É o mais comunidade, e todos os elementos radioativos têm isotopes no que se deteriora deste modo, Corresponde à transformação de um nêutron em um próton ou, e em tal caso fala defronte de beta de decadência, para a transformação de um próton em um nêutron.

Quando um nêutron o se transformar em um próton, a decadência é acompanhada pelo assunto de um elétron e um antineutrino (o antiparticella do neutrino); a presença das garantias de elétron que a posição elétrica do sistema está inalterada antes e depois da tentativa, fala com este caso de decadência "beta - ".

Quando a transformação de um próton é tida ao invés em um nêutron, são emitidos um neutrino e um positron (um elétron de posição positiva), é tida decadência "então beta +."

A beta de decadência dentro de um núcleo atômico acontece quando o mesmo núcleo introduz que um excesso de nêutrons ou excesso de prótones que devem ser elimina.

Em you/he/she de precedência é feito notar como o número de prótones e nêutrons é essencial para determinar a estabilidade de uma certa configuração nuclear.

As configurações privilegiadas são esses que, no diagrama Z-Ns, está preparado ao longo da curva de estabilidade. Se um núcleo é achado sobre tal curva, significa isso para seu dentro de lá está um excesso de nêutrons. Você isca uma beta de decadência então: um dos nêutrons do núcleo se torna um próton e contemporarily que o assunto de um elétron e um neutrino acontece.

Deste modo, o núcleo tem um mais próton e um nêutron em menos em comparação ao núcleo de partida. O estar fora ao invés himself/herself/themselves debaixo da curva de pontos de estabilidade que o núcleo contém um excesso de prótones.

A decadência beta oposta controla o seu "eliminação": eles são se transformados em nêutrons enquanto eu estou sendo emitido positrons e neutrini.

Então, quando acontecer dentro de um núcleo, a beta de decadência chega o núcleo à curva de estabilidade.

A tentativa deixa Á inalterado para o número de massa., mas muda Z (aumenta de uma unidade na decadência "beta - ", diminui de uma unidade na decadência "beta +").

A beta de decadência é descrita pelas interações fracas e os prótones que eles só são se transformados em nêutrons quando eles estiverem dentro de núcleos: a beta de decadência de prótones grátis nunca foi observada.

É amarrado este comportamento dos prótones até a massa deles/delas. Quando uma partícula sempre se deteriora atrás isto se transformando himself/herself/itself em uma partícula mais clara. Os nêutrons por exemplo, se deteriore em prótones. Os prótones não têm partículas mais claras porém em qual se deteriorar. Ao invés dentro dos núcleos altera a presença da energia de laço, até mesmo se de pequeno, os valores das massas do nucleonis. You/he/she pode acontecer de forma que um próton o se transforma em um nêutron.

Você radia beta

Fluxo de partículas de elétrons (beta -, negativo) e de positrons (beta +, elétrons positivos) enviou pelo núcleo em desintegração. Alguns deste aventi de partículas que velocidades altas interagem com o assunto, com assunto conseqüente de raios de X (natural).

Subindo: nuclidi radioativo

Energia: de algum keVs para muitos MeVs, mas raramente superior ao 4 MeVs.

Velocidade: de 150.000 km/ses para "c" (velocidade da luz)

Poder penetrante: fraco (100 vezes menor da gama de raios e 100 vezes maior do alfa de raios), eles não superam uma barreira das densidades de 5 mms. de alumínio ou 2,5 cms de madeira, além deles não penetre para em cima de um centímetro na pele. Com uma energia de 3 MeVs uma beta de partícula cruza no ar ao redor de um metro.

Ser ionizzante capaz: muito baixos 4 pares de íones para milímetro com energia de 3 MeVs.

Grau de periculosidade: o poder penetrante limitado atrás ele que a periculosidade deles/delas está limitada se enviou por um dia-aluno de fonte ao corpo; eles são prejudiciais se a fonte estiver dentro.

O assunto de alfa de partículas

O assunto de alfa de partículas do núcleo pode acontecer graças a uma tentativa característica do quantistica físico disse túnel de efeito: os dois prótones e os dois nêutrons têm sucesso em prática possuindo também escapando uma quantidade de energia insuficiente quebrar os laços nucleares. E' como se uma pedra lançasse no ar, teve sucesso escapando a atração o terráqueo gravitacional e voar no espaço, apesar da pouca energia o gravou pelo lançador. Este fenômeno perfeitamente é explicado pelo quantistica mecânico e é especialmente importante para os núcleos com número atômico maior Z de 82 (conduza). Seguindo esta decadência uma diminuição de Z de 2 unidades ou Á. de 4 unidades é tido.

Você radia alfa

Partículas constituíram por núcleos de Hélio (2 nêutrons e 2 prótones) que eles têm uma posição positiva dobro.

Subindo: nuclidi radioativo

Energia: raramente inferior ao 4 MeVs.

Velocidade: de 15.000 a 20.000 km/ses

Poder penetrante: muito fraco (100 vezes menor da beta de raios), eles não vão além de uma folha de papel, uma chapa de alumínio das densidades de 50 mícron ou a camada basal da epiderme; no ar se eles possuem uma energia de 3 MeVs que eles cruzaram desde 2 aos 8 centímetros. Com uma energia que pelo menos 7,5 you/they de MeVs podem penetrar na pele.

Ser ionizzante capaz: muito elevado, (1000 vezes maior da beta de raios), com uma energia de 3 MeVs eles produzem 4000 pares de íones para milímetro.

Grau de periculosidade: só se enviou por uma fonte interior ao corpo humano, you/they podem criar danos sérios por causa do ionizzante de poder elevado.

Outra fonte de ionizzantis de radiações é os raios cósmicos; com este phenomenons de nome de vária natureza é identificado (núcleos atômicos, elétrons, positrons, que raios percorrem, enxameiam fóton-elétrons) e resulta bastante fácil perceber que a fonte deles/delas é de origem extraterrestre.

A energia deles/delas é muito elevada, da ordem de muito mil de MeV (de 108 a 1020 MeVs), com velocidade elevada, próximo à velocidade da luz; eles têm um poder penetrante forte e ionizzante mas dão a presença escassa deles/delas eles têm uma periculosidade desprezível.

UNIDO MEDE, DOSE ABSORVIDA, EQUIVALENTE E EFETIVIDADE

Com a termo "Atividade" de uma substância radioativa ele pretende o número de núcleos desta substância que you/they o desintegram na unidade de tempo:

uma unidade velha de medida da atividade é o Curie (Lá), agora substituiu no Sistema Internacional (S.I.) do Bequerel (Bq):

1 lá = 3.700.000 dises. / segundo.

1 Bq = 1 dis. / segundo.

Quantificar o dano biológico das radiações nos organismos foram introduzidos I/you/they um pouco de unidades de medida que define her/it "absorveram Dose" que é a energia depositada pela radiação no material radiado para unidade de massa:

o mais antigo é o "RAD"

1 RAD = 100 erg/gs

Atualmente no S.I. o é usado "CINZA" (Gy):

1 Gy = 1J/Kg

1 Gy = 100 RADs

Mas o efeito das radiações, os quadris de energia de paridade é dependente do tipo de radiação.

Então o fator de qualidade da radiação é introduzido "Q", a grandeza que é considerada isto se torna então o equivalente de dose "H" amarrou a dose absorvida "D" da relação:

H = QxD

Para elétrons, raios de X e raios percorrem Q = 1

Para nêutrons e prótones Q de 5 a 20

Para as partículas Q alfa = 20

É tido que também se lembrar de um pouco de sensibilidade diferente finalmente (Fp) dos vários tecidos e órgãos para a radiação; é para isto que o conceito de dose efetiva é introduzido (E)

Valores de Fp para os vários órgãos:

gonads;

medula, peito, foles, tiróide, fígado, esôfago, cólon,,;

esfole, superfície óssea;

cérebro, intestino, rim, baço, útero, pâncreas, músculos,,

0,20

0,12

0,01

0,05

As unidades de medida do equivalente de dose e a dose efetiva é:

1 Rem = 100 erg/gs

o que no you/he/she De sistema Internacional foi substituído pelo Sievert (Sv):

1 Sv = 1 J/Kg

de qual 1 Sv = 100 Rems